caminhada

Correr ou caminhar? Qual previne mais doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e hipercolesterolemia?

20/10/2013

Qual previne mais doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e hipercolesterolemia?

Correr ou caminhar?

 

Em recente artigo publicado em maio último na revista Artherioscleroses Thrombos Vascular Biology, os autores tiveram como objetivo, testar se o gasto calorico equivalente, por intensidade moderada (por exemplo , caminhada ) e exercício de intensidade vigorosa (por exemplo , corrida ) forneciam benefícios para  saúde equivalentes.

Foram utilizados os corredores nacionais “( n = 33 060 ) e pessoas que caminhavam com regularidade ” ( n = 15 945) em um estudo coorte para examinar o efeito das diferenças no modo de exercício e , assim, avaliar a intensidade exercida destes sobre a doença arterial coronariana (DAC ), assim como os fatores de risco.

A taxa de metabolismo basal por hora/dia, foi comparada e avaliada através dos   auto-relatos dos pacientes , diagnóstico médico de hipertensão,  hipercolesterolemia, diabetes mellitus e doença coronária durante 6,2 anos de seguimento.

O grupo de corredores, diminuiu significativamente os riscos para a hipertensão incidente de 4,2 % ( P < 10 ( -7) ) , hipercolesterolemia de 4,3 % ( P < 10 ( -14) ) ,

diabetes mellitus de 12,1 % ( P < 10 ( -5) ) e CHD de 4,5% por Meth / d ( P = 0,05).

Já no grupo que caminhou, as reduções correspondentes para foram de 7,2% ( P < 10 ( -6) ), 7,0 % ( P < 10 ( -8) ) , 12,3% ( P < 10 ( -4 ) ) , e 9,3 % ( P = 0,01) . Em relação a <1,8 Meth / d , a redução de risco de 1,8 a 3,6 , 3,6-5,4 , 5,4-7,2 , e ≥ 7,2Meth / d foram os seguintes:( 1) 10,1% , 17,7% , 25,1 % , e 34,9 % a para os corredores, e 14,0% , 23,8 % , 21,8 % e 38,3 % para o grupo que caminhou, para a hipercolesterolemia , (2 ) 19,7% , 19,4 % , 26,8 % e 39,8% para os corredores e 14,7% , 19,1 % , 23,6 % e 13,3 % do grupo que caminhou, para a hipertensão , e (3 ) 43,5% , 44,1% , 47,7 % e 68,2% para os corredores, e de 34,1% , 44,2 % e 23,6 % , do grupo que caminhou para  diabetes mellitus (distâncias a pé > 5,4 Meth / d, excluído para muito poucos casos) .

O grupo que caminhou, não  apresentou redução de risco significativamente diferente para a diabetes mellitus (P = 0,94 ), hipertensão arterial (P = 0,06) , ou DAC ( P = 0,26) , e apenas discretamente maior para a hipercolesterolemia (P = 0,04) .

Concluindo, o gasto de energia equivalente, tanto moderado (caminhada) quanto vigoroso,(corrida ), produziu reduções de risco semelhantes para hipertensão , hipercolesterolemia, diabetes mellitus e, possivelmente, doenças cardiovasculares.

Mais um estudo de peso, com um número expressivo de pessoas, vem corroborar, que a caminhada regular, é um excelente meio de prevenção de doenças altamente prevalentes em nosso meio e no mundo. Logo,caminhar pode ser um ótimo “remédio”, sendo grátis, sem efeitos colaterais sérios e além de tudo, barato!

 

 

Fonte:

PMID: 23559628 [ PubMed – indexado para o MEDLINE ]

(Aterioscler Thromb Vasc Biol . 2013 Maio , 33 (5) :1085 -91 . doi: 10.1161/ATVBAHA.112.300878 . Epub 2013 04 de abril).

 

Lizanka Marinheiro – endocrinologista

Prof. da Pós-graduação em Saúde da Mulher e da Criança

Prof. da Pós-graduação em Medicina Clínica Aplicada à Saúde da Mulher e da Criança

Instituto Nacional de Saúde da Mulher, Criança e Adolescente, FERNANDES FIGUEIRA-FIOCRUZ

 

 

lizanka