Vitamin D

Deficiência de vitamina D: saiba como prevenir-se!

23/03/2014

Vitamin DSaiba como prevenir-se da nova epidemia mundial: a deficiência de vitamina D

            Nas últimas décadas, inúmeras pesquisas vêm demonstrando a importância da vitamina D em diversos sistemas do organismo humano, e não apenas na prevenção de osteoporose e fraturas como se pensava. Efeito estimulante na função cognitiva, na manutenção da massa muscular com redução das quedas, no controle do diabetes melitus e das doenças cardiovasculares são apenas alguns aspectos que vem sendo explorados nos últimos anos.

A vitamina D pode ser obtida na dieta habitual através da ingestão de alimentos ricos em gordura, como gema de ovo, manteiga e alguns tipos de peixe (p.ex.salmão), ou através da metabolização da pele sob efeito dos raios solares (radiação UVB), de onde advém sua maior parcela. Considera-se que a exposição aos raios solares, sem barreiras de proteção, durante 10 minutos no mínimo 3 vezes/semana seja suficiente para manutenção dos níveis considerados aceitáveis. Porém, fatores como uso de protetor solar de fator de proteção superior a 30, ou o horário da exposição, podem influenciar este processo. Pessoas de pele escura necessitam de tempo mais prolongado de exposição (cerca de 3 a 5 vezes mais) para metabolizar a mesma quantidade de vitamina D do que pessoas mais claras. Da mesma forma, doenças que prejudicam a absorção intestinal (como retocolite ulcerativa ou doença celíaca), cirurgia de redução do estômago, algumas doenças renais e uso crônico de alguns medicamentos (como corticoides e antifúngicos) podem interferir nos níveis de vitamina D.

Seu diagnóstico é definido com base na dosagem sérica de uma fração de seu metabólito (25OH vitamina D), sendo considerada insuficiência níveis inferiores a 20 ou 30 ng/mL (dependendo do protocolo a ser seguido). Nestes casos, outros exames devem ser realizados como forma de complementar esta avaliação.

O rastreamento da população como um todo não está indicado, mas indivíduos de maior risco para quedas, como os idosos, e para osteoporose e fraturas, como mulheres na menopausa, merecem atenção especial. Por isso, pessoas nestes grupos devem procurar seu médico-assistente (seja ele ginecologista, endocrinologista, geriatra ou clínico geral) para discutir a importância de se realizar o exame no seu caso.

Sendo assim, as mulheres agora tem mais um detalhe de sua saúde a ser discutido nas revisões periódicas com seu ginecologista: a prevenção e o tratamento da deficiência de vitamina D. Não perca esta oportunidade de zelar pela sua saúde e quelidade de vida. Procure seu médico. Previna-se!

Patricia Oliveira

Ginecologista e obstetra

Doutora em Ciências da Saúde pelo IFF/Fiocruz

 

lizanka