shutterstock_dunkan

DIETA DUKAN: PRÓS E CONTRAS

19/07/2013

DIETA DUKAN: PRÓS E CONTRAS

A Dieta Dukan é uma derivação da dieta das proteínas e leva esse nome por ter sido elaborada

pelo francês Pierre Dukan. Separada em quatro fases (ataque, cruzeiro, consolidação e

estabilização), a dieta promete a eliminação e manutenção do peso perdido, com a vantagem de

permitir comer à vontade, na hora que quiser. Mas será que é realmente assim que funciona?

 

Fase de ataque: tem duração de dois a sete dias e representa a fase mais radical da dieta, em

que o foco é o consumo apenas de proteínas. São permitidos os seguintes alimentos: carnes

magras, fígado, rins, peixes, aves, peito de peru, frango, frutos do mar, iogurte, queijos ou leite

desnatado e ovos. Além disso, a dieta prevê o consumo de três colheres de aveia por

dia.Prós:leva ao emagrecimento rápido, dando mais motivação. Contras:Sem a glicose

proveniente dos carboidratos, o sistema nervoso pode ficar comprometido e podem surgir

sintomas com letargia, fadiga e irritabilidade. Com a falta de carboidratos, o corpo tende a

converter gordura em energia acarretando na liberação de corpos cetônicos que em altos níveis

podem ser prejudiciais às células e causar desconfortos como mau hálito. O corpo também passa

a queimar massa muscular, deixando mais fraco e dificultando a realização de atividades diárias

ou exercícios físicos. Outro ponto negativo é que a ingestão insuficiente de fibras pode resultar

em gases, desconforto gastrointestinal e dificuldade de evacuação.

 

Fase de cruzeiro: legumes e verduras são gradualmente adicionados, possibilitando alternar os

dias de consumo de proteínas como o consumo de proteína junto aos vegetais permitidos. Essa

fase deve ser mantida até se atingir o peso desejado. Os legumes permitidos são: pepino,

berinjela, tomate, rabanete, palmito, acelga, aipo, cogumelos, escarola, espinafre, repolho, alho-

poró, abobrinha e vegetais folhosos. Prós: caracterizada pela redução de medidas, já que

apresenta consumo elevado de proteínas e baixo consumo de carboidrato, presentes apenas nos

vegetais. Contras: o consumo dos vegetais aumenta nessa fase, mas o valor nutricional da dieta

continua sendo muito pobre. Ainda que esses legumes e vegetais contenham carboidratos e

fibras em sua composição, as quantidades não são suficientes, causando os mesmos problemas

da etapa anterior. Essa fase da dieta também não conta com a presença de frutas, que são ricas

em vitaminas e sais minerais importantes para o bom funcionamento do nosso organismo.

 

Fase de consolidação: período de alta vulnerabilidade e tem como objetivo inserir outros

alimentos e evitar o reganho de peso. Sua duração é precisamente dez dias para cada quilo

perdido. São reintroduzidos alimentos como frutas, pão integral, uma porção de queijo por dia e

duas porções de alimentos ricos em amido por semana. Outra mudança é a refeição livre desde

que não repita duas porções do mesmo alimento e são apenas duas refeições permitidas por

semana. Ainda é necessário cumprir um dia por semana de proteína pura. Prós: ocorre a

introdução de fontes de carboidratos mais substanciais, melhorando o funcionamento do

intestino. Contras: A restrição das duas primeiras fases faz com que o metabolismo fique mais

lento, devido à perda de massa magra, fator que pode dificultar o emagrecimento ou mesmo a

manutenção do peso. Isso porque em um emagrecimento saudável há queima de gordura e

preservação dos músculos. Essa massa muscular demanda mais energia do organismo, fazendo

o metabolismo acelerar e queimar a gordura em excesso. Com o acréscimo de carboidratos e da

refeição livre, a tendência natural do organismo é estocar energia e manter o metabolismo mais

lento, resultando em maiores estoques de gordura e menor concentração de massa muscular.

 

Fase de estabilização definitiva: deve durar para a vida toda, como forma de manter o peso

conquistado. Ela é baseada em três regras básicas: a fase de ataque deve ser repetida uma vez

por semana, a pratica de atividade física deve ser mantida e o consumo de três colheres de aveia

por dia deve continuar obrigatório. Prós: estimula prática constante de atividade física e o

consumo de fibras. Contras: não há uma orientação correta a ser seguida no que diz respeito a

uma alimentação equilibrada, não existe uma especificação de quantas refeições devem ser

feitas, quais as quantidades de cada alimento, dentre outras recomendações básicas para uma

alimentação saudável. Isso favorece o descontrole e o ganho de peso, que de alguma forma pode

ser compensado com a perda de massa muscular resultante do dia exclusivo de proteína.

 

A escassez de estudos científicos sobre o método de Dukan levou o grupo francês CCM

Benchmark a realizar um extenso inquérito com o objetivo de analisar se as pessoas que

seguiram esta dieta foram capazes de perder peso e mantê-lo ao longo dos anos. Cerca de 5 mil

pessoas responderam ao inquérito e os resultados foram publicados na revista médica Obésité de

junho. Além dos efeitos secundários perigosos e contraindicações, algum tempo depois todos os

quilos são recuperados. O levantamento mostrou que após 1 ano 48% dos entrevistados

recuperaram os quilos eliminados, 64% após 2 anos, 70% após 3 anos e 80% após 4 anos. A

publicação dos números visava ampliar a consciência sobre os regimes restritivos e, de acordo

com um dos profissionais envolvidos no estudo, os resultados denotam “eficácia a curto prazo”.

 

Fonte: DUKAN, P. Eu não Consigo Emagrecer. Rio de Janeiro, 2013. 303 p.

Danyelle de Almeida Ventura
Nutricionista
Mestre em Ciências da Saúde – IFF/FIOCRUZ E-mail: danyelleventura@gmail.com

lizanka