hoje1254880_shiny_brain_

Neurotransmissores envolvidos na obesidade

25/11/2012

Embora se saiba  que a urocortina 1 (UCN) atua tanto em receptores de fatores liberadores de corticotropina (CRF1 e CRF2), os mecanismos responsáveis pela indução de anorexia pela UCN ainda não são conhecidos.

Por outro lado, a grelina, o ligante endógeno do receptor secretagogo de hormônio do crescimento, estimula a ingestão alimentar.

No presente estudo, é examinado os efeitos dos antagonistas de receptores CRF1 e CRF2 (CRF1a e CRF2a) na síntese e secreção de grelina, na expressão de mRNA de c-fos na região caudal do tronco encefálico e na ingestão alimentar após a administração intracerebroventricular de UCN.

Ratos Sprague-Dawley com oito semanas de vida foram usados, após passarem por 24 horas de deprivação de comida.

Os níveis de grelina acilada e não-acilada foram determinados por teste de ELISA. A expressão de mRNA de pré-pró-grelina e c-fos foi medida por PCR em tempo real.

O estudo presente forneceu as importantes informações sobre os mecanismos anorexígenos da UCN:

1) A UCN aumentou os níveis de grelina acilada e não-acilada no corpo gástrico e reduziu seus níveis no plasma;

2) a UCN reduziu os níveis de mRNA de pré-pró-grelina no corpo gástrico;

3) A redução na grelina plasmática e na ingestão alimentar induzidas pela UCN foi restaurada por CRF2a mas não por CRF1a;

4) o aumento nos níveis de mRNA de c-fos induzido pela UCN, na região caudal do tronco encefálico contendo o núcleo do trato solitário, foi inibido por CRF2a; e

5) a redução na ingestão alimentar induzida por UCN foi restaurada por grelina exógena e rikkunshito, um regulador endógeno da secreção de grelina.

Assim, a UCN aumenta a ativação neuronal no tronco encefálico caudal, contendo o núcleo do trato solitário, via receptores CRF2, o que pode estar relacionado à inibição da secreção de grelina e da ingestão alimentar induzidas pela UCN.


Fonte: American Journal of Physiology, Endocrinology and Metabolism 2011; 301(1):E72-82.

 

A alimentação pode ser vista como a consequência da interação complexa de diversos neutrotransmissores, tais como colecistocinina, peptídeo semelhante ao glucagon (GLP-1), peptídeo YY, amilina, leptina e grelina1. Tais assuntos, são fontes de  inúmeras pesquisas, com publicações suficientes para tentar organizá-las na forma de artigos de revisão 2,3,4 e propor novas formas de tratamento 5.

Vários estudos dessa natureza auxiliam na elucidação do complexo ato de se alimentar, sobre o qual se baseia a opção medicamentosa do tratamento da obesidade (não sendo aqui o conceito integral de tratamento da pessoa obesa necessariamente), o que está longe ao nosso ver de ser alcançada.


 Neste estudo foi visto o efeito da administração intraventricular de urocortina na síntese e na secreção de grelina, bem como o envolvimento dos receptores dos fatores de liberação da corticotrofina.

O objetivo foi esclarecer os mecanismos anoréxicos da urocortina.

 A droga ideal está ainda muito longe do desejável (se é que algum dia será sintetizada), haja visto os diversos posicionamentos de orgãos regulatórios em cada país diferente, a exemplo do FDA nos Estados Unidos, e da ANVISA aqui no Brasil recentemente, sobre os moderadores de apetite 6.

Enquanto a farmacologia não avança, e as pesquisas de área básica acontecem a cada dia, podemos lançar mão do que dispomos como aliado no combate a obesidade, epidemia mundial hoje também em crianças e jovens , o que se pode realmente fazer ,é cada vez mais investir em prevenção desde cêdo, com medidas simples, e honestas, buscando cada vez mais um equilíbrio entre um corpo e mente  saudáveis.


Artigo disponível na internet em: www.ajpendo.physiology.org/content/301/1/E72.full.pd.

 

Referências

1.    Finlaison  G, Halfor J, King N, Blundell J. The regulation of food intake in humans. In www.endotext.org , versão 12/19;2011, publicado por Mdtext.co., Inc, S. Dartmouth, MA. Disponível em: http://www.endotext.org/obesity/obesity7.3/obesityframe7-3.htm.

2.    Stengel A, Taché Y. Interaction between gastric and upper small intestinal hormones in the regulation of hunger and satiety: ghrelin and cholecystokinin take the central stage. Curr Protein Pept Sci. 2011 Jun 1;12(4):293-304.

3.    Gautron L, Elmquist JK. Sixteen years and counting: an update on leptin in energy balance. J Clin Invest. 2011 Jun 1;121(6):2087-93. doi: 10.1172/JCI45888. Epub 2011 Jun 1, disponível em http://www.jci.org/articles/view/45888.

4.    Nguyen AD, Herzog H, Sainsbury A. Neuropeptide Y and peptide YY: important regulators of energy metabolism. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2011 Feb;18(1):56-60.

5.    Torekov SS, Madsbad S, Holst JJ. Obesity – an indication for GLP-1 treatment? Obesity pathophysiology and GLP-1 treatment potential. Obes Rev. 2011 Aug;12(8):593-601. doi: 10.1111/j.1467-789X.2011.00860.x. Epub 2011 Mar 15.

6.    Nota técnica sobre a eficácia e segurança dos medicamentos inibidores do apetite. ANVISA, Brasília, DF, 2011.

 

Lizanka Marinheiro

Chefe da Endocrinologia

Instituto Nacional da Criança Mulher e Adolescente Fernandes Figueira

FIOCRUZ

lizanka