bariatrica

Cirurgia bariátrica: resultados a longo prazo

16/11/2013

Semana  de Obesidade Americana destaca vários aspectos da epidemia crescente de obesidade no mundo

 

A Semana de Obesidade, co-patrocinada pela Sociedade de Obesidade e pela Sociedade Americana de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, está sendo realizada em Atlanta, entre 11 e 16 de novembro . Durante a mesma, foram apresentados vários trabalhos sobre o metabolismo, regulação neuronal e tratamento da obesidade.

Os dados mais recentes indicam que 35,7% da população adulta nos EUA é obesa,  com interessantes distribuições étnicas e geográficas.

Lá, 49,5%, 40,4 % e 34,3% de negros, hispânicos e caucasianos são obesos,  respectivamente. As taxas de obesidade variam de 20,5% no Colorado para 34,7 %, em Louisiana. Os custos anuais estimados atribuíveis à obesidade são de US $ 147bilhões,  e os custos de saúde para os obesos são cerca de US $ 1500 por ano, maior do que os custos de saúde para adultos com peso normal.

Um interessante estudo divulgado na Obesity Week  foi o que comentamos a seguir, focado em alguns dos muitos benefícios da cirurgia bariátrica.

 

Mudança de peso e resultados na saúde em 3 anos após a cirurgia bariátrica entre os indivíduos com obesidade grave

JAMA, 06/11/2013

Courcoulas AP , et al.

 

A obesidade severa ( Índice de massa corporal [IMC ]> = 35 ) está associada a uma vasta gama de riscos para a saúde.  A cirurgia bariátrica induz a perda de peso e melhoria da saúde a curto prazo , mas pouco se sabe sobre os resultados a longo prazo destas cirurgias. Este trabalho veio mostrar as modificações ocorridas após 3 anos em peso e outros parâmetros de saúde após procedimentos cirúrgicos bariátricos comuns.

Entre os participantes com obesidade grave,  houve perda de peso substancial em 3 anos após a cirurgia bariátrica, com a maioria tendo variação máxima de peso durante o primeiro ano. No entanto, houve variação  de resultados na quantidade  de perda de peso, no diabetes , pressão arterial e índices de gordura no sangue .

O Consórcio de Avaliação Longitudinal de Cirurgia Bariátrica ( LABS ), é um estudo de coorte observacional multicêntrico em 10 hospitais norte-americanos, em seis centros clínicos  geograficamente distintos.

Os adultos submetidos a procedimentos cirúrgicos bariátricos pela primeira vez , como parte do atendimento clínico de rotina por cirurgiões participantes foram recrutados entre 2006 e 2009 e acompanhados até setembro de 2012.

Os participantes foram avaliados antes da cirurgia e 6 meses,  12 meses, e,  em seguida, anualmente após a cirurgia.

Três anos depois de procedimentos pelas técnicas de Y de Roux,  bypass gástrico ( BGYR ) ou banda gástrica ajustável laparoscópica ( LAGB ),  os autores avaliaram a mudança de peso por cento da linha de base, e a porcentagem de participantes com diabetes que alcançaram níveis de hemoglobina A1c menor que 6,5% ou valores de glicemia de jejum menos a 126 mg / dl, sem terapia farmacológica .

A melhoria da dislipidemia e hipertensão  em 3 anos também foi avaliada .

 

Resultados:

 

No início do estudo,  os participantes (N = 2.458 ) tinham entre 18 e 78 anos , 79% eram mulheres, a média do IMC foi de 45,9

( IQR , 41,7-51,50 ) e  o peso médio foi 129 kg ( IQR , 115-147 ) .

Para a sua primeira intervenção de cirúrgica bariátrica, 1738 participantes foram submetidos a BGYR , 610 LAGB , e 110 outros procedimentos.

No início do estudo , 774 ( 33%) tinham diabetes , 1252 ( 63% ), dislipidemia, e 1601 ( 68%) a hipertensão.

Três anos após a cirurgia, a perda de peso média real para os participantes submetidos a BGYR foi de 41 kg ( IQR , 31-52 ),  o que corresponde a uma percentagem do peso inicial perdido de 31,5 % ( IQR , 24,6% -38,4 %).

Para os participantes submetidos a LAGB , a perda de peso real foi de 20 kg ( IQR , 10-29 ) , o que corresponde a 15,9 % ( IQR , 7,9% -23,0 %).

A maior parte da perda de peso foi evidente um ano após a cirurgia, para ambos os procedimentos.

Foram avaliados cinco grupos distintos para cada procedimento.

Para os participantes que tinham diabetes no início do estudo , 216 participantes BGYR (67,5% ) e 28 participantes LAGB (28,6%),  houve uma remissão parcial consistente em 3 anos.

A incidência da diabetes foi de 0,9% depois do BGYR e de 3,2 % após a LAGB.

A dislipidemia  foi resolvida em 237 participantes BGYR (61,9% ) e em 39 participantes LAGB ( 27,1%) ;

A remissão de hipertensão ocorreu em 269 participantes BGYR ( 38,2%) e 43 participantes LAGB (17,4%) .

 

 

Lizanka Marinheiro

Prof. Dos Programas de Pós- Graduação em Saúde da Mulher e Medicina Clínica Aplicada à Saúde da Mulher

Instituto Nacional de Saúde da Criança Mulher e Adolescente -FERNANDES FIGUEIRA

FIOCRUZ

 

lizanka