clipart-illustration-of-orange-man-lifting-weights-exercising-muscles-workout

Efeito do volume e da intensidade do exercício no perfil lipídico

16/11/2012

Efeito do volume e da intensidade do exercício no perfil lipídico

            Um dos principais benefícios da prática regular de exercício é a melhora no perfil lipídico, promovendo uma redução nos níveis plasmáticos de triglicerídeos e colesterol, além de causar um aumento nos níveis plasmáticos de HDL (High Density Lipoprotein), reduzindo o risco do desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Entretanto, a manipulação das variáveis de treinamento, principalmente o volume e a intensidade, podem acarretar em diferentes respostas do exercício nestes marcadores.

Com o objetivo de esclarecer sobre o efeito de diferentes estratégias de treinamento sobre o perfil lipídico, Kraus et al. (2002) realizaram um elegante estudo com 111 indivíduos com sobrepeso e dislipidemia, aleatoriamente distribuídos em 4 grupos:

  1. Grupo controle: sem exercício.
  2. Grupo alto volume e alta intensidade (~32km/sem; 65-80% VO2máx.).
  3. Grupo baixo volume e alta intensidade (~19,2 km/sem; 65-80% VO2máx).
  4. Grupo baixo volume e moderada intensidade (~19,2 km/sem; 40-55% VO2máx).

Todos os indivíduos foram orientados a manter o peso corporal sem grandes alterações durante o estudo. Para os indivíduos do grupo de alto volume e alta intensidade, a prescrição foi planejada para um gasto de 23 kcal/kg/sem. Para os indivíduos dos grupos de baixo volume, o gasto calórico planejado foi de 14 kcal/kg/sem. O treinamento foi realizado durante 6 meses, utilizando cicloergômetro, esteira e elíptico.

O grupo de alto volume e alta intensidade e o grupo de baixo volume e alta intensidade tiveram aumentos similares no VO2 (17,8% e 16,7%, respectivamente, comparado ao grupo controle), demonstrando que a intensidade é mais importante que o volume de exercício em termos de aumento no nível de aptidão física.

Houve um claro efeito benéfico na concentração de HDL no grupo alto volume e alta intensidade. O baixo volume de exercício promoveu menor (não significativo) efeito nesta variável, com nenhum efeito aparente na intensidade. Em todos os grupos treinados houve melhora na concentração de triglicerídeos.

O grande achado deste trabalho foi mostrar que o volume de exercício parece ter mais importância que a intensidade do exercício na concentração plasmática de lipoproteínas. O efeito da intensidade é pequeno quando comparado ao volume do exercício. O interessante é que este efeito ocorreu sem que houvesse uma perda de peso significativa entre os participantes do estudo, mostrando a atuação direta do exercício no perfil lipídico. Embora o menor volume de treino produzisse menor efeito, este volume foi suficiente para prevenir o aumento de peso e, consequentemente, a piora no perfil lipídico, observado no grupo controle.

 

Referência: KRAUS, W. E.; HOUMARD, J. A.; DUSCHA, B. D.; KNETZGER, K. T.; WHARTON, M. B.; McCARTNEY, J. S.; BALES, C. W.; HENES, S.; SAMSA, G. P.; OTVOS, J. D.; KULKARNI, K. R.; SLENTZ, C. A.. Exercise and Lipoproteins: Effects of the amount and intensity of exercise on plasma lipoproteins. N Engl J Med, v. 347, n. 19, p.1483-1492, Nov. 2002.

 

Saúde, amizade e felicidade é o que importa de verdade!

 

Wallace Machado

Personal Trainer

 

wallacemachado@ufrj.br

 

 

lizanka