idiabetesmages

Elevados níveis de açucar ligados à demência

16/08/2013

Elevados níveis de açúcar no sangue  ligados à demência


 muitas razões para manter o nível de açúcar no sangue sob controle: proteger as artérias e nervos são dois deles. Outra razão grande é a prevenção da demência, a perda de memória e habilidades de pensamento que aflige milhões de pessoas mais velhas.

Um estudo publicado no New England Journal of Medicine  agora em agosto com 2067 pacientes,mostrou que, mesmo em pessoas sem diabetes,  as taxas de açúcar no sangue acima do normal foi associada a um risco aumentado de desenvolvimento de demência. Esta descoberta vai além de ligações anteriormente vistas entre diabetes e demência. “Ela estabelece, pela primeira vez, de forma convincente, que há uma ligação entre a demência e elevadas taxas de açúcar no sangue em não-diabéticos”, diz o autor do estudo Dr. David Nathan, um professor da Escola de Medicina de Harvard e diretor do Centro de Diabetes e Centro de Pesquisa clínica do Hospital Geral de Massachusetts.

Dr. Nathan em parceria com pesquisadores de todo o país a olhar para os níveis de açúcar no sangue em mais de 2.000 adultos mais velhos com média de idade  de 76. A grande maioria dos participantes do estudo não tinha diabetes. O que os investigadores descobriram é que qualquer aumento suplementar do açúcar no sangue é associado com um aumento do risco de demência e quanto mais elevado o nível de açúcar, maior é o risco.

Por quê? Existem apenas teorias sobre o assunto. “Especula-se que os elevados níveis de açúcar no sangue causa uma doença vascular, além de problemas metabólicos. Por exemplo, as pessoas com nível elevado de açúcar no sangue muitas vezes têm resistência à insulina, que pode ser o elo que afeta as células do cérebro “, diz o Dr. Nathan.

O estudo não prova que a alta de açúcar no sangue causas de demência, só que existe uma associação entre os dois. Por essa razão, não comece a tentar reduzir o açúcar no sangue simplesmente para preservar suas habilidades de pensamento, adverte Dr. Nathan. Não há nenhuma evidência de que a estratégia vai funcionar, embora ele diz que deve ser estudado.

Mas vale a pena manter um olho sobre o açúcar no sangue para tentar evitar o desenvolvimento de diabetes tipo 2. Esta doença acomete em proporções epidêmicas. Quase 26 milhões de americanos, um em 12 americanos, têm diabetes. Açúcar elevado no sangue é característica da doença. O nível normal é abaixo de 100 miligramas por decilitro de sangue mg / dL após um período de oito horas de jejum. Você tem diabetes, se o açúcar no sangue é de 126 mg / dL ou superior, depois de um jejum. Pessoas com nível de açúcar no sangue acima de 100, mas abaixo de 126,  têm o que é chamado de pré-diabetes.

O excesso de açúcar no sangue é um problema, porque pode levar a uma variedade de doenças, incluindo problemas no coração, olhos, rins e nervos.

Controle dos níveis de açúcar no sangue

E se o seu açúcar no sangue está acima do normal?

Há boas notícias nesse departamento: você pode baixar o açúcar no sangue através do exercício e, se necessário, perder peso. A mudança para uma dieta mais saudável, com mais vegetais, frutas e grãos integrais e cortar em grãos altamente refinados também pode ajudar.

Tente fazer 150 minutos por semana de atividade física de intensidade moderada, como pro exemplo, uma caminhada rápida. Se isso é difícil, sei que mesmo um pouco de atividade pode fazer uma grande diferença na redução dos níveis de açúcar no sangue.

E nem sempre tem que ser oficial e de treinamento rigoroso o “exercício”. Tente usar as escadas com mais freqüência, estacionar mais longe da loja, e levantar-se e mover-se com mais frequencia se você permanece sentado por muito tempo.

“É senso comum,” diz o Dr. Nathan. “Quanto mais ativo você é e menos sedentário, o mais provável é que seus músculos façam captação de glicose e a insulina vai ser mais eficaz.”

Também é útil cortar a ingestão de carboidratos altamente refinados, especialmente alimentos com adição de açúcares, como a sacarose, xarope de milho de alta frutose, e também melaço, como cana de açúcar, adoçante de milho, açúcar bruto, xarope, mel ou suco de frutas concentrados. A American Heart Association recomenda não mais do que 100 calorias de açúcar ou seis colheres de chá de açúcar por dia para as mulheres e 150 calorias ou nove colheres de chá de açúcar por dia para os homens. Se você está na faixa de pré-diabéticos ou diabéticos, você vai querer trabalhar com um nutricionista para determinar suas necessidades exatas.

Fazer essas mudanças é um investimento e a recompensa é uma melhor saúde física e mental, e definitivamente vale a pena.

 

Diabetes:Um plano para viver

Diabetes, uma doença marcada por altos níveis de açúcar no sangue, é uma doença muito comum. Nos Estados Unidos, a prevalência de diabetes aumentou mais de quatro vezes nas últimas duas décadas. Não são só pessoas mais velhas que vem sendo diagnosticadas com diabetes, mas também pessoas em idades mais jovens.

Isso é preocupante porque os riscos de complicações decorrentes desta doença, que incluem ataque cardíaco, derrame, cegueira, insuficiência renal e amputação, tornam-se maiores quanto mais tempo você tem diabetes. Mas há boas evidências de que o controle rigoroso do açúcar no sangue pode retardar ou mesmo prevenir o desenvolvimento de complicações debilitantes ao longo do tempo.  Um controle mais rígido e adequado é agora possível graças às inovações, tais como dispositivos de alta tecnologia de monitoramento, melhores medicamentos e injetores de insulina quase indolores.Sem falar na culinária hoje elaborada para perda de peso, feita sem açúcar, especialmente para atender à todo um público com diabetes se ou obeso.

O mais importante é que se tenha em mente que: é possível viver  e conviver com diabetes sendo possível viver bem, e de forma mais harmônica.

 

 

GLucose Levels and Risc of Demencia

David M Natan, Paul K. Crane et al

August 8,2013

N England J Med 2013;369:540-548

 

 

Por Lizanka Marinheiro e

Tania Maria Dias- Mestranda em Saúde da Mulher 

Instituto Nacional da Saúde da Mulher Criança e Adolescente FERNANDES FIGUEIRA -FIOCRUZ

 

lizanka